Parque Metropolitana Geoglifos Biológicos

Localização: Maipú, Santiago, Chile
Ano: 2017
Equipe: Mapas Arquitectura y Territorio + Lucas Bueno
Outros: 1o Prêmio no Concurso Internacional Santiago Ecologias Emergentes 2017

As pegadas do homem no território são parte intrínseca de sua existência cultural. Desta forma, consideramos o alcance do concurso como um ato geográfico e territorial, resgatando a memória histórica dos geoglifos no território chileno, adaptando-os às necessidades socioambientais necessárias ao nosso tempo e ao contexto local, buscando uma recuperação e integração ambiental, produtiva e social.

A partir de uma perspectiva da paisagem, propõe-se três figuras geométricas puras – o quadrado de produção agrícola, o círculo de fito remediação, e o triângulo de atividades urbanas – em grande escala conectadas por um eixo central longitudinal, que se convertem em elementos transformadores das atividades humanas em contato com o meio natural. O eixo longitudinal se converte na infraestrutura conectora dos usos do parque, e conecta as napas subterrâneas e o canal artificial central que corta o parque, gerando novos usos para a agricultura, piscicultura e piscinas recreativas.

Finalmente, buscando estratégias para integração e articulação do parque com a área urbana metropolitana, que vem crescendo em direção ao parque, propõe-se as chamadas Armaduras Paisagísticas que tem como princípio garantir o vazio e a não ocupação por assentamentos e infraestruturas.